Lições Bíblicas: “Esmirna, a igreja confessante e mártir”

Lição 4 — 2.° trimestre de 2012

Das sete cidades relacionadas com as “igrejas da Ásia”, cinco desapareceram há muitos séculos, e Filadélfia existiu até a Idade Média. A cidade de Esmirna é a única que permaneceu até os nossos dias, hoje com o nome de Izmir, na moderna Turquia (aliás, as sete cidades estavam situadas no território desse país também, leia aqui).

Penso que a comparação entre Esmirna e Laodiceia, sugerida na “Orientação pedagógica” e no quadro da página 28, será mais bem compreendida quando você ministrar a lição 9, sobre Laodiceia, porque então ambas as igrejas foram estudadas.

O estudo da igreja de Esmirna compreende dois temas importantes: o contraste entre a perspectiva de Deus e a perspectiva do mundo (igreja pobre/ rica); a constante investida do mal contra a igreja, por meio de perseguição externa e pelas investidas internas das heresias.

Esmirna, uma igreja mártir

A cidade portuária de Esmirna foi destruída pelos lídios em 627 a.C. e durante três séculos não foi maior que uma vila. Foi fundada outra vez na metade de século IV a.C., depois que Alexandre capturou Sardes, e se tornou a principal cidade da Ásia. A cidade passou a venerar Roma como poder espiritual desde 195 a.C. e tinha muito orgulho de seu culto a César.

Na província da Ásia, as companhias de comércio costumavam adotar um deus pagão como patrono. Assim, as reuniões administrativas também incluíam o culto a essa divindade, e os cristãos que se recusavam a participar podiam ter o seu meio de subsistência comprometido. Alguns estudiosos acreditam que esses cristãos eram os que não aceitavam a “marca da besta” e por isso não podiam comprar nem vender (Ap 13.17). Além disso, a comunidade judaica de Esmirna era bastante hostil à igreja e dificultava a vida dos cristãos na cidade.

A condição de igreja confessante era ameaçada pelas doutrinas dos “falsos” judeus, o que confirma a ideia de que a igreja é sempre atacada por dentro e por fora.

Apresentação do missivista

Como professor, você não deve deixar de observar que Cristo se apresenta em cada carta com títulos e virtudes que correspondem diretamente à situação da igreja a quem ele se dirige.

As condições da igreja de Esmirna

O clima em Esmirna era tenso na época em que a carta foi escrita, como já vimos na primeira seção, e o martírio não era uma possibilidade remota. Policarpo, ex-discípulo de João martirizado em 155 d.C., era bispo de Esmirna. (A história dele é interessante. Você pode pesquisá-la e assim passar aos alunos mais detalhes sobre o contexto da perseguição nesse tempo.)

A “pobreza” de Esmirna destaca o tema da pobreza e da riqueza aos olhos de Deus e na visão do mundo. Nunca foi a intenção de Cristo que a sua Igreja se destacasse por seus templos majestosos, poder político e domínio territorial (em certa época, a Igreja Romana chegou possuir um terço das terras conhecidas do mundo). O que pretendia era uma influência na condição de sal e luz do mundo (Mt 5.13). Você pode usar como ilustração o fato de os judeus constituírem apenas 0,2% da população mundial, enquanto 20% dos ganhadores do Prêmio Nobel são judeus. Durante a maior parte dos últimos 2 mil anos eles nem mesmo tinham um país e sofreram terríveis perseguições, mas a sua influência no mundo é enorme. Pesquise sobre a Igreja perseguida nos dias de hoje. Aproveite a oportunidade para alertar os alunos da nova e paralisante moralidade que se está tentando implantar no mundo, antagônica aos princípios cristãos, que até agora eram pelo menos respeitados (leia aqui e aqui).

Sobre os ataques dos “falsos crentes”, basta lembrar a teologia da prosperidade, estudada no trimestre anterior e as distorções que a caracterizam como mundana (ver parágrafo anterior).

Lição 5 (leia aqui).

About these ads

12 comentários em “Lições Bíblicas: “Esmirna, a igreja confessante e mártir”

  1. parabéns! é bom poder saber um pouco mais da lição e aplica-la ao nosso cotidiano.

  2. Muito boa o comentario e a orientação dada a nos professores.

  3. gostei muito dos comentários vou aplicálos amanha na ebd.

  4. esse comentario da lição sobre esmirna é franco e direto . parabéns professor judson.

  5. Roberto c.s.porto, sinop m.t.gostei do comentario,para mim de grande valia,Deus,te ilumine sempre em seus comentarios,parabens

  6. Deus te abençoe.
    Que este desvelo com o ensino permaneça em seu coração até o arrebatamento da Igreja.

  7. gelson de oliveira que Deus sempre ilumione sua mente com essaa esplicações fantasticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s