Deus, nunca remova esses filtros!

garatujas“Que lindo, filho!”, diz você quando seu menino de três anos lhe apresenta o desenho de algo que parece uma barata após um encontro infeliz com um chinelo. “É o papai”, ele informa orgulhoso de sua obra, e você não tem dificuldades em lhe dar um abraço agradecido enquanto tenta apagar da mente a imagem que ainda vê dançando diante dos olhos. Os pais têm essa condescendência inata, esse filtro natural que enxerga a perfeição por trás das mensagens confusas de um pequeno ser que está descobrindo o mundo.

Deus, nosso Pai, utiliza filtros semelhantes, como equipamentos especiais, para aceitar aquilo que somos e o que fazemos. Posso pensar na propiciação, o principal deles, como óculos especiais que eliminam as manchas de pecado da folha, de modo que possa ver alguma justiça em nós — justiça que nem mesmo é nossa, devo lembrar. Posso pensar ainda na longanimidade e na misericórdia e, claro, no amor. Mas você sabe que a lista é longa.

No mundo espiritual, que estamos sempre explorando, há meninos e adultos, mas não creio que alguém possa atingir a plena maturidade aos olhos do Pai a ponto de ele não precisar de nenhum filtro. Nesse sentido, somos apenas crianças menores ou maiores produzindo nossos desenhos mal-ajambrados.

Não vamos nos iludir. Nossas poesias mais sublimes são versos de pé-quebrado, nossa música é desafinada, o trabalho de nossa vida inteira não compensará um centavo do valor do resgate que ele pagou para nos ter de volta.

Ainda assim, nossos versos ganham ritmo e musicalidade diante dele ao sopro suave do Espírito, o sagrado Filtro que habita em nós. O auto-tune do Pai permite que ele se assente na porta do céu para escutar nosso louvor. E, para que não deixemos de lhe apresentar nossas pretensões bem-intencionadas, a graça paterna nunca deixa de nos fornecer as folhas de papel e as canetinhas de cor.

Deus, nunca remova esses filtros!

Na expectativa de domingos melhores

Ontem à tarde, a queda de energia no prédio e a falta de uma boa companhia empurraram-me para um programa solitário nos Shopping Palladium, que fica aqui perto.

O churrasco de quitinete feito em churrasqueira elétrica (pão de alho recheado, linguiça toscana e contrafilé Angus consumidos entre goles de Santa Alba Reserva) ainda pesava no estômago, por isso me mantive longe das ofertas gastronômicas, exceto por um espresso de avelã (não consegui identificar o gosto) no café da loja das Livrarias Curitiba.

Ainda no café, sentei-me numa das poltronas que cercam o ambiente e li o prefácio e um capítulo de Exorcismo, de Thomas B. Allen, que alguém havia deixado ali. O livro conta a história real de possessão demoníaca que inspirou o filme O exorcista, e a leitura me interessou. Mas eu também eu não estava no clima para comprar livros.

Então optei pelo cinema e dirigi-me ao espaço da UCI, que fica no terceiro piso. Em cartaz, o último filme estrelado por Tom Hanks. Já estava na fila da bilheteria, quando me dei conta da ironia da situação: ali estava eu, um cristão, prestes a comprar a minha entrada para o Inferno. Isso depois de ficar no escuro e de ter a atenção atraída para um caso de possessão demoníaca. Pois é. Nessa fieira sinistra de coincidências, até o bom churrasco acabou virando uma metáfora desagradável.

Decididamente, preciso melhorar os meus domingos.

Coisas que só eu vejo nos seriados (33)

Técnica ninja de primeiros socorros

No quinto episódio da sétima temporada de Hawaii Five-0, o vilão é ferido no braço e, como quem sabe das coisas, improvisa um torniquete para estancar o sangue. Só que, como todo mundo sabe, o torniquete deve ser aplicado acima do ferimento ou, mais exatamente, entre o ferimento e o coração, do contrário o sangue continuará correndo. Mas o homem amarra o cinto abaixo do local do tiro, e o sangue para! 

hawaii-five-0s07e05a

hawaii-five-0s07e05b

Morre o pastor Claudiney Nunes

pastor-claudinei-nunes

Morreu hoje, vítima de fibrose pulmonar, o pastor Claudiney Nunes. Ele era componente do conjunto Dedos de Davi.

A primeira das muitas vezes vez que vi o grupo cantar foi na década de 1970, quando ele e seus irmãos ainda eram bem jovens.

A página do Facebook de seu irmão, o deputado estadual Kennedy Nunes, traz estas informações:

O corpo do nosso mano, Pr Claudiney, estará até amanhã às 11h na igreja em Camboriú. Depois levaremos ele para Joinville onde ficará das 12h até as 16h na igreja sede em Joinville. Culto em Joinville será as 15h. Sepultamento as 16h30 no cemitério municipal de Joinville.

Teste de amizade

amigo