Uma lição de prudência

Desde que aprendi a ler, ainda antes de entrar na escola, tornei-me viciado em leitura. Quando comecei a cursar o primário, na Escola Básica (hoje Colégio) Marechal Luz, em Jaguaruna, encantei-me com os livros que continham crônicas, pequenas histórias e poesias para ensinar Língua Nacional. Eu não tinha paciência para esperar a aula. Aliás, nem para esperar o ano letivo: quando as aulas começavam, eu já tinha lido o livro inteiro. Às vezes, na casa de um amigo, eu deparava com um desses livros, mais antigo, de um irmão mais velho ou mesmo de um dos pais dele. Se eu não pudesse ler o livro ali mesmo, pedia emprestado. Foi num desses livros “extraclasse” que encontrei a poesia simples que reproduzo a seguir. Bem, depois de quarenta anos não lembro o título nem o autor, mas do texto ainda guardo cada palavra. O motivo de eu publicá-la aqui? Não sei. Tenho andado mais nostálgico que o normal. Deve ser isso. Mas é um texto divertido, pode até ser aproveitado para ilustrar um sermão sobre prudência. Vai ficar lindo você declamando no púlpito:

Dona Maria, uma velha,

A encarnação da prudência,

Ao neto sempre aconselha

Proceder com previdência.

Pergunta-lhe o neto um dia:

Vovó, que é ser previdente?

E a boa dona Maria

Respondeu-lhe meigamente:

Ser previdente, disse ela,

É pensar no mau venturo,

Com a louvável cautela

De prevenir o futuro.

Por exemplo, está chovendo:

Ao quintal não sairás.

Provas, assim procedendo,

Que tens juízo, meu rapaz!

Passa-se um curto momento,

E já com água até os joelhos

Lá pelo enxurro barrento

Do quintal anda o fedelho.

E disse a vovó, zangada:

Passa pra dentro, rapaz!

Não me obedeces em nada,

Que marotinho estás!

Vovó, eu fui previdente,

Não podes ralhar-me, não,

Disse o rapaz calmamente.

Não temas constipação.

Fui previdente, aí está:

Do teu xarope, avozinha,

Antes de vir para cá,

Tomei uma colherinha.

Anúncios

Um comentário em “Uma lição de prudência

  1. Já tem algum tempo que busco encontrar esses versosbque são do tempo da minha infância
    Estou feliz por te- lo encontrado
    Mas gostaria de saber o autor e em que livro ele foi exposto
    Abraços . Amo poesia

    Marjori, infelizmente não lembro o título do livro (era um livro didático antigo) nem do autor do poema.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s