Hora do recreio

***

Talvez seja o plano de fazer em breve uma viagem à minha terra natal, mas ando pensando muito na época em que eu cursava o primário na Escola Básica (hoje Colégio) Marechal Luz, em Jaguaruna, no final da década de 1960 e início dos anos de 1970.

As lembranças dos últimos dias não têm sido da sala de aula, mas do recreio, quando uma revoada de pequenas e elétricas criaturas vestidas de azul-marinho e branco se espalhava pelas dependências externas do colégio: o pátio interno, lugar de cerimônias e mais tarde também quadra esportiva, point das brincadeiras de roda; o galpão sem paredes, onde era servida a merenda; a grande área com boa parte de chão batido, que comportava até um pequeno campo de futebol. Havia ainda uma parte do terreno em que cresciam umas poucas árvores, arbustos e de vez em quando uma pequena horta. Nos lugares de pouco trânsito, alguns alunos se reuniam para jogar e assistir às partidas de bola de gude ou participar de qualquer outra brincadeira mais recatada.

Eu gostava de brincar de polícia e ladrão. Logo que começava o recreio, alguém gritava: “Soldadinho!” (a brincadeira era conhecida apenas por esse nome), e logo os interessados se aglomeravam para formar os grupos. Um bando se escondia ou apenas ficava a uma distância segura, e o outro ia capturá-los. Traçava-se no chão um retângulo ou uma meia-lua, geralmente aproveitando-se como um dos lados a mureta alinhada com a área de chão batido ou qualquer estrutura reta de alvenaria. Ali ficavam confinados os “presos”. Se um fugitivo passasse por dentro da “cela”, todo o bando estava livre de novo. Considerava-se vencedor o grupo que estivesse em fuga na hora que batesse o sinal.

Uma atração à parte eram as brigas. Da mesma forma em que se anunciava a brincadeira de soldadinho, alguém gritava: “Brigaaaaa!”. Em segundos, formava-se a plateia, ninguém disposto a separar os combatentes.

Ninguém exceto o Seu Herculano, o servente e faz-tudo da escola. Era um negro alto, de postura ereta, que andava, gesticulava e falava com idêntica lentidão. Nunca o vi agitar-se nem erguer a voz. Era o tipo que sairia andando calmamente de um incêndio enquanto os outros estivessem se jogando pela janela. Mas bastava ele se aproximar da região do conflito naquela sua cadência sossegada, e logo os ânimos se acalmavam.

Lembro-me de um dia em particular, em que ele resolveu mudar de tática. Estávamos assistindo a uma briga atrás da cozinha, que ficava numa das extremidades do galpão, quando o Seu Herculano passou a certa distância, no mesmo passo descansado, sem ao menos olhar para a rinha improvisada. Ele se aproximou de uma pequena árvore e, sem dizer palavra, sacou um facão, cortou um galho fino e começou a desbastá-lo, sem nenhuma pressa. Aos poucos, uma vara de tamanho respeitável foi surgindo em sua mão.

Até hoje ninguém sabe dizer se o Seu Herculano faria ou não uso do novo acessório, porque nem os brigões nem a plateia ávida de sangue ficaram ali para confirmar.

Acho que não se fazem mais recreios como antigamente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s