Lições Bíblicas: “A formosa Jerusalém”

Lição 13 — 2.° trimestre de 2012

Neste domingo, estudaremos sobre a nova Jerusalém, que será a morada definitiva e eterna dos salvos.  O professor, porém, deve estar atento a alguns mitos e equívocos que se desenvolveram em torno da figura dessa enigmática cidade. Iremos mencioná-los conforme as divisões da lição.

O que é a Jerusalém celeste

A nova Jerusalém é o lugar em que os salvos irão morar para sempre. É um ponto geográfico específico no mundo novo (“novos céus e nova terra”) do estado eterno. A cidade celeste descerá do céu para a terra (Ap 21.10). Essa informação já desfaz um grande mito, o de que iremos “morar no céu”, frase que não existe na Bíblia. É certo que após o arrebatamento a Igreja terá uma passagem pelos céus (1Ts 4.17), mas a sua morada definitiva será na terra, depois que tudo for restaurado (2Pe 3.13; leia Ap 21.24). A frase até é aceitável como expressão coloquial, mas não exprime a realidade revelada a João.

Não se sabe como será a rotina dos habitantes dessa cidade. Por favor, esqueça aquela ideia ridícula do coral e do Jesus maestro, como se fôssemos passa a eternidade de pé, cantando até esgoelar. Não vamos virar caixinha de música. O céu também não é aposentadoria, como se os salvos fossem se tornar velhinhos de boné de feltro ocupados apenas em jogar dominó na praça. Uma vida rica de atividades, conhecimentos, relacionamentos e indescritíveis alegrias nos aguarda ali.

Características da nova Jerusalém

Simbolismo. Fato interessante que em Apocalipse a “esposa” do Cordeiro é a nova Jerusalém, não a Igreja. Ela primeiro se apronta com seus adereços (Ap 19.7; 21.2) e depois é apresentada a João (21.9). Acredito que seja uma forma de representar toda a população da cidade, formada não só pela Igreja, mas também pelos patriarcas, profetas e demais santos que não viveram a era da graça.

Formato. A nova Jerusalém é imensa, com mais de 2 mil quilômetros de cada lado e também de altura. Fica a pergunta se esse objeto descomunal irá repousar sobre o solo, adaptando-se à curvatura da terra, ou se irá pairar a certa altitude, como uma nave espacial (a cena de Ap 21.10 não descarta essa hipótese). A conclusão de que a cidade tem a forma de um cubo perfeito não é unanimidade. Para alguns, tem a forma de uma pirâmide, cujo vértice atinge medida idêntica à dos lados. Para Dake (Bíblia de estudo Dake), é uma cadeia de montanhas que atinge em algum ponto aquela altura máxima.

Nomes. Nas portas localizadas nos muros, estão os nomes das doze tribos de Israel. Nos fundamentos da cidade, estão os nomes dos doze apóstolos (Ap 21.12,13). Isso desfaz uma teoria segundo a qual no “céu”, isto é, estado eterno não lembraremos de nada do que aconteceu na velha terra. Que sentido fariam então esses nomes, se ninguém soubesse mais o significado dos nomes das tribos nem lembrasse dos apóstolos (inclusive eles mesmos)?

O Sol e a Lua. Os astros que governam o dia e a noite não serão de nenhuma necessidade na nova Jerusalém, “porque a glória de Deus a tem alumiado [a cidade], e o Cordeiro é a sua lâmpada” (Ap 21.23), mas isso não significa que no mundo novo não haverá Sol nem Lua.

O perfeito estado eterno

Lembre os alunos de que no estado eterno, embora estejamos com o corpo glorificado e livre de certas limitações que experimentamos hoje, não seremos absolutamente perfeitos, como Deus. Haverá sempre a possibilidade de adquirir conhecimento e de ter novas experiências, enfim, poderemos nos desenvolver de várias formas. O céu não é lugar de marasmo nem de seres robotizados.

Os teólogos assembleianos evitam a todo custo mencionar os habitantes da nova terra. Chegam aos que habitam a nova Jerusalém e param por aí, como se toda a vida se limitasse à cidade celeste. Mas o texto que descreve o estado eterno (leia Ap 20.1) diz que “as nações andarão à sua luz, e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra” (Ap 21.24). Ora, essas nações e reis não são pessoas que habitam a cidade, mas que vivem fora dela. Na cidade, irão morar apenas os salvos de todas as épocas (ver a seção “O que é a Jerusalém celeste”). A criação inteira será restaurada (leia Rm 8.20-23), e assim não faz sentido que Deus deixe de restaurar justamente a humanidade, a coroa da criação. A nova terra não será um deserto: será um lugar de vida plena e feliz, com plantas, animais e seres humanos, como na criação original.

Anúncios

4 comentários em “Lições Bíblicas: “A formosa Jerusalém”

  1. se ajudar ponto pra nós e glória pra jesus, digamos assim o senhor vai mexer so no primeiro céu não avera mais nuvens, no segundo onde esta os astros sol e lua
    ficara.normalmente.

    Curtir

  2. “O crente que lê e estuda o Apocalipse não se espanta com o programa de Deus para estes últimos dias” – (Verdade Prática)

    Que Deus abençoe a todos!

    Curtir

  3. “mas isso não significa que no mundo novo não haverá Sol nem Lua”.Você pode esclarecer essa frase? Onde na bíblia está escrito isso? obrigado!

    Tadeu, Deus criará um novo céu e uma nova terra. A nova Jerusalém, por causa da glória de Deus, não necessitará de nenhum tipo de iluminação. Mas ela estará situada num pequeno ponto da terra. Assim, é de se presumir que o restante do planeta necessite do Sol e da Lua.

    Curtir

  4. Gosto muito seus esboços da ebd, sou professor da ebd e muito mim ajuda esses comentários Deus continue te abençoando!!

    Muito grato, Israel.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s