Lições Bíblicas: “A divisão espiritual no lar”

Lição 7 — 3.° trimestre de 2012

A lição deste domingo trata das diferentes convicções religiosas de pessoas que vivem sob o mesmo teto. Você pode iniciar a aula comentando o fato de que muitas guerras foram motivadas pela religião. As famosas Cruzadas (pesquise aqui), que se estenderam por quase 300 anos e custaram cerca de 500 mil vidas de cristãos e muçulmanos, são um exemplo clássico desse tipo de conflito.

Mas os conflitos ou mesmo simples diferenças podem ser e detectados em escalas menores, como na família, o assunto da lição. Esta declaração do próprio Cristo é significativa: “Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra. E, assim, os inimigos do homem serão os seus familiares” (Mt 10.34-36). Os assembleianos mais antigos lembram como era difícil “virar crente” num lar católico. Não poucos convertidos eram expulsos de casa ou ficavam expostos a alguma forma de violência. Alguns procuravam até manter a conversão em segredo. Se houver alguém na sua classe que enfrentou essa condição, peça-lhe que relate a sua história as colegas. A lição trata mais da convivência com o cônjuge descrente e da educação dos filhos nos caminhos do Senhor. Mas é interessante que você analise primeiro o tema de maneira geral.

A convivência com o cônjuge descrente

É comum a conversão de um cônjuge apenas, e isso costuma sempre mudar alguma coisa no relacionamento entre o casal. Por exemplo, eles não mais frequentarão juntos determinados lugares e às vezes, nos dias de culto, cada um irá para o seu lado. O descontentamento do cônjuge descrente (ou mesmo do crente) pode levar à separação. A paciência e o bom testemunho do cônjuge convertido podem salvar o casamento, mas não há garantia disso. O apóstolo Paulo deixou instruções bem específicas sobre essa situação em 1Coríntios 7.12-16. Consulte bons comentários bíblicos sobre essa passagem para poder explicá-las aos alunos.

Minha mãe converteu-se bem jovem, logo depois que se casou com o meu pai, mas ele nunca aceitou aceitou a Cristo. Contudo, por muito tempo ficaram juntos, porque ele nunca reprovou a conversão dela. Ele era do tipo mulherengo e mais tarde eles acabaram se separando, mas a crença de minha mãe não foi o motivo.

Não se pode generalizar sobre o assunto, por isso procure apresentar à classe diversas situações. Por certo haverá exemplos até entre seus alunos. Permita que eles exponham as suas dúvidas.

Agindo com sabedoria

Os livros cristãos de antigamente que abordavam o tema da família geralmente eram superficiais e beiravam a utopia. As soluções para os problemas costumavam ser formulares e simplistas. Parece que o tema comum era “Como transformar uma família perfeita numa família mais perfeita”. Claro, os valores familiares não eram tão atacados como hoje, mas os problemas não eram tratados com a devida profundidade nessas obras. Para os filhos, então, tudo se resumia a “sujeitá-los”. No entanto, em qualquer época, ainda que você consiga incutir nos filhos os princípios cristãos, chega o momento em que precisam decidir que caminho tomar.

Também nesse caso é impossível generalizar. Às vezes os filhos se perdem pelo mau testemunho dos pais ou pela maneira equivocada em que os educam, ainda que com boas intenções. Mas nem sempre isso garante que todos irão trilhar o caminho da fé. Por isso vemos numa mesma família filhos convertidos e atuantes na igreja e outros “no mundo”. Eu mesmo tenho um filho que se declara ateu (embora me pareça mais um tipo de revolta contra Deus), mas ele deixou claro que não se trata de decepção com a vida cristã dos pais. No entanto, o amor e a cordialidade entre nós nunca foram alterados.

Evangelizando o cônjuge

Uma vez que a convivência dos cônjuges um com o outro é diária, o bombardeio doutrinário não é a melhor estratégia. Mas isso não significa que de vez em quando uma conversa sobre a questão da fé não tenha o seu efeito.

Lição 8 (leia aqui).

Anúncios

5 comentários em “Lições Bíblicas: “A divisão espiritual no lar”

  1. AGINDO COM SABEDORIA – Retratos Antagônicos de uma mesma instituição

    Pr Judson diz:
    Eu mesmo tenho um filho que se declara ateu
    – No entanto, o amor e a cordialidade entre nós nunca foram alterados.

    No último campo em que congreguei, antes da emancipação durante a última reunião foi abordado um tema que sugeria uma situação semelhante a vivida entre o senhor e seu filho, e como já citado no seu texto, se afirmava veementemente que “tudo se resumia a sujeitá-los”. Ao que um dos obreiros levantou e perguntou:

    – Então pastor, e no meu caso que meu filho é de maior, trabalha, sustenta-se financeiramente sozinho e ainda ajuda nas despesas da casa?

    Sabe qual a “sábia” resposta do então Pr. Presidente?

    – Bota prá fora de casa! Enquanto estiver debaixo do seu teto, tem que se sujeitar ao que você impõe!

    Mas o que me deixou mais triste do que essa declaração, foi ouvir alguns brados de glórias e aleluias diante dessa resposta do Pr., e ao final da reunião muitos elogiarem o “pulso firme” do principal condutor de tão delicado rebanho…

    Arrumei alguns desafetos naquele dia ao dizer que tal reunião me lembrou muito as dos fariseus procurando os erros para com prazer condenar.

    Por aí vemos um despreparo por parte da liderança, e não raras vezes já vi quando nas lições bíblicas são feitas tentativas de corrigir esses conceitos absurdos que a igreja herdou por tradição e não por embasamento nas Sagradas Escrituras, que mesmo com muito embasamento bíblico, tais líderes literalmente distorcem-na a seu bel prazer…

    Numa triste ironia, esse tipo de atitude só faz aumentar a divisão no lar.

    Curtir

  2. Se você temos alguma critica a fazer contra os Homens de Deus que passam minutos, horas, dias, meses e ate anos buscando o conhecimento da palavra de nosso senhor Jesus cristo para nós repassar, e por que você deve ter muito mas conhecimento da palavra do que eles, mas o que eu acho muito interesante e que você em vez de ficar perdendo tempo com essas opinios deveria elogiar estes Homens que Deus levantou para sua obra, DT 5.31; ED 7.10 ; MT 5.19, QUE DEUS CONTINUI ABENÇOANDO TODOS AQUELES QUE FAZEM A SUA OBRA, E QUE ELE TENHA MISERICORDIA DE TODOS A QUELES QUE SE DECLARAM JUIZES DAS OBRAS DOS SEUS IRMÃOS.

    Curtir

  3. Embora o tema esteja focado para casais, é importante que os jovens obtenha esse conhecimento porque é um aprendizado e experiencia para sua vida futuramente.

    Curtir

  4. Novamente a CPAD nos apresenta uma lição esquelética na qual cabe muito esforço por parte dos professores em dar vida a tal tema. O tema da lição ficou muito focado a relação entre casados, CPAD esquece que o alvo da lição é para Jovens e adultos, o mesmo erro repetido da lição ” as aflições da viuvez”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s