Lições Bíblicas: “A verdadeira motivação do crente”

Lição 13 — 3.° trimestre de 2012

O assunto deste domingo é a tríplice tentação de fama, dinheiro e poder. E por que isso seria uma aflição? Explique para a classe que essas coisas, quase sempre inseparáveis, podem se tornar uma obsessão na vida do ser humano, a ponto de ele passar a vida inteira insatisfeito com o que tem. Sabe-se também que mesmo quem atinge esses altos patamares não tem garantia de satisfação: o famoso quer mais glória, o rico quer mais riqueza, o poderoso quer expandir os seus domínios (leia Pv 27.20; 30.15; Ec 1.8; 4.8). Para o crente, constitui um sério conflito com a vida simples recomendada pelo evangelho

A verdadeira motivação do crente

Em Marcos 9.30-37, lemos que o tema de uma conversa  entre os discípulos de Jesus era a respeito de qual deles seria “o maior”, o mais importante. Eles já acompanham a Jesus havia um bom tempo, mas ao que parece pouco aprenderam com o exemplo do Mestre (Mt 11.29; 21.5). Jesus então aproveitou a ocasião para ensinar-lhes um dos  conceitos paradoxais do cristianismo: a liderança de servo (você encontra bastante material sobre esse assunto na Internet e em livros de liderança cristã).

O conceito da humildade, entretanto, não aplica aplica apenas à liderança, mas a todos os cristãos de todas as épocas. A proliferação dos reality shows tem proporcionado a algumas pessoas a oportunidade de sair do anonimato para a fama, e para consegui-la elas são capazes de fazer qualquer coisa, até mesmo prostituir-se ao mais baixo grau diante de milhões de testemunhas. A fama pode trazer dinheiro e poder. O dinheiro pode trazer poder e fama. O poder pode trazer fama e dinheiro. Todas as combinações são possíveis, e as pessoas vendem a sua dignidade por isso. Ainda que não cheguem a tanto, esse tipo de desejo é normalmente  motivado por sentimentos equivocados. O crente não pode pensar assim. A cultura do BBB não encontra apoio na Bíblia. O desejo de possuir algo apenas pela coisa em si ou apenas por satisfação ou vaidade pessoal também encontra reprovação nos ensinos apostólicos (Fp 2.3; Tg 4.3). A “ambição” do crente não deve ser outra senão a de ser útil ao próximo (Mc 10.45; Jo 13.3-17).

Não fomos chamados para a fama

O fato de não perseguimos a fama não significa que ela tenha de ser evitada a todo custo. Às vezes, ela é até inevitável. No início de seu ministério, Jesus tentou agir com discrição, mas “a sua fama se propagava ainda mais, e ajuntava-se muita gente para o ouvir e para ser por ele curada das suas enfermidades” (Lc 5.15). Houve ocasião em que ele precisou fugir do assédio do povo (Jo 6.15).

Também não devemos confundir o simples desejo de ser famoso com a necessária divulgação de nosso trabalho, por exemplo. Se você abrir um restaurante e não puser uma placa na fachada nem fizer algum tipo de propaganda, corre o risco de falir. Eu, pessoalmente, estou me preparando para escrever o meu primeiro livro (já escrevi mais de 30, só que para os outros), sobre um assunto que pretendo esclarecer para o povo de Deus. Mas essa minha intenção já implica a necessidade de vender muitos exemplares, porque eu desejo sinceramente que muitos crentes tenha acesso a essa obra. Não dá para dissociar uma coisa da outra. Errado eu estaria em apenas escrever um livro pelo sucesso em si, escorado num tema da moda ou apenas explorando um assunto de maneira sensacionalista.

Aliás, o próprio evangelho não sobreviveria sem divulgação (At 1.8). No início de sua história, a igreja de Jerusalém se acomodou, e foi preciso que Deus permitisse uma perseguição para que a mensagem de salvação fosse levada a todo o mundo (At 8.4).

O anonimato não é sinônimo de derrota

Essa questão é importantíssima, porque ser bem-sucedido na vida não significa necessariamente alcançar uma posição de destaque aos olhos da sociedade ou ser uma pessoa de posses. O mundo é uma grande máquina, com engrenagens grandes e pequenas, com peças fundamentais e  acessórias, porém todas absolutamente necessárias. Se todos fossem líderes, a quem iriam liderar? Se todos fossem patrões, quem iria trabalhar na fábrica? Se todos fossem “importantes”, quem iria recolher o lixo ou consertar os buracos da rua?

Não há nada de errado em optar por um trabalho humilde. Se alguém quer  ser pipoqueiro, qual o problema? Que faça uma boa pipoca. Se as circunstâncias da vida prendem você à base da pirâmide, sem maiores possibilidades de ascensão, faça o melhor aí onde estiver. Esse é princípio ensinado pelo Pregador (Ec 9.10; leia também 1Co 7.20-22). José do Egito se destacava até na prisão (Gn 39.19-23).

Vale lembrar também que a ascensão social não é necessariamente vetada ao cristão. Na verdade, se o princípio que apresentei no parágrafo anterior for seguido à risca,  deve-se esperar algum destaque ou mesmo a fama (veja aqui).

(Não deixe de consultar bons comentários bíblicos sobre as passagens sugeridas, a fim de enriquecer os seus argumentos.)

Lição 14 (leia aqui).

Anúncios

9 comentários em “Lições Bíblicas: “A verdadeira motivação do crente”

  1. muito bom o seu conteudo que Deus o abençoe, sou professor da escola dominical, também gosto de aperfeiçoar meus estudos atraves de algumas pesquisas.

    Curtir

  2. Caro Judson,

    Esta aula vai ser uma bênção, será um árduo trabalho, mas tenho certeza que o Espírito Santo agirá, pois o povo precisa largar certos conceitos que estão “como tatuagem” em nossa mente.

    Uma boa aula.

    Fica na Paz do Senhor Jesus Cristo.

    Curtir

  3. Gratificante seu estudo,temos que buscar mais conhecimentos para enriquicer a nossa aula na EBD.irmão Judson Deus te abençoe.

    Curtir

  4. Gratificante,antes de tudo gosto de procurar fonte para enriquecer meu estudo, quando for transmitir para meus alunos, ter algo diferente para apresentar a elas. Obrigada pelo seu estudo muito bom. Continuem com este estudo maravilhoso!

    Curtir

  5. Excelente, hoje com a novela e muitos programas de tv invertendo os valores do casamento da família e da honestidade seu artigo veio no exato momento.

    Curtir

  6. Excelente momento a lição nos proporcionará para refletirmos a inversão de valores e as pressões sociais por sucesso e fama. Parabéns pelas dicas, são muito preciosas!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s