Lições Bíblicas: “Miqueias — a importância da obediência”

Lição 7 — 4.° trimestre de 2012

A profecia de Miqueias destaca a a superioridade da obediência sobre o sacrifício (qualquer que seja), do relacionamento íntimo com Deus sobre a religiosidade, do culto que brota do coração sobre a liturgia. Se você pesquisar bons comentários bíblicos sobre as passagens sugeridas na “Leitura diária”, terá bastante subsídio para ministrar essa aula.

O livro de Miqueias

Para mais  informações técnicas sobre o livro, veja o meu artigo “Algumas curiosidades sobre os Profetas Menores”, principalmente a “Atualização”, com dicas que valem para todas as lições (leia aqui).

A obediência a Deus 

Para um real aproveitamento da lição, não bastará ao aluno aprender de forma concisa o sentido bíblico da obediência. Será preciso ampliá-lo com a aplicação a certas situações da vida, que é o que importa. Para isso, você pode usar os exemplos da própria Bíblia, particularmente as instruções à Igreja, contidas no Novo Testamento. Você perceberá que a obediência é um jogo de regras e exceções e que em cada situação ela se constitui mandamento apenas enquanto não fere o princípio bíblico da obediência a Deus, da mesma forma que as leis humanas não podem estar em conflito com a carta magna do país.

O filho tem de obedecer e honrar os pais (Cl 3.20), mas se eles o impedem de seguir a Cristo, a autoridade de ambos deve ser rejeitada nessa decisão (Lc 14.26). A Bíblia recomenda respeito e obediência aos patrões (Ef 6.5), mas essa lealdade não obriga o crente a participar de negócios ilícitos, ainda que isso lhe custe o emprego (veja o exemplo da guarda de Saul, em 1Sm 22.17). As autoridades constituídas devem ser respeitadas (Rm 13.1), mas nenhuma lei humana pode se sobrepor à lei de Deus (At 5.26-29). Os crentes devem obedecer aos seus pastores (Hb 13.17), mas, embora sejam idealmente servos de Deus, são também humanos e sujeitos a fraquezas. Se a liderança tenta conduzir o povo por um caminho que Deus desaprova, o crente está desobrigado dessa obediência (leia 1Rs 19.18).

O último exemplo merece atenção especial. Alguns líderes religiosos, por incompetência ministerial ou mesmo por má intenção, costumam alegar revelações especiais de Deus para exigir a obediência incondicional do povo. É um armadilha para liderança e liderados, pois todos poderão enveredar por um caminho que não é o caminho de Deus. Vale aqui o princípio ensinado em Deuteronômio 18.20-22. “Deus” ultimamente anda muito exigente com o bolso do povo. Além de um sacrifício inútil, o crente que dá ouvidos a esses líderes ainda corre o risco de ficar sem dinheiro.

A obediência a Deus baseia-se na revelação completa das Escrituras. A Bíblia é a nossa regra de fé e prática, é a nossa Carta Magna. Tudo que venha de encontro às suas leis deve ser rejeitado.

Ritual religioso/ O grande mandamento

Não há dúvida de que os rituais em si ou as liturgias elaboradas que vemos no sistema religioso judaico (instituídas pelo próprio Deus) ou em determinadas igrejas dos dias de hoje não têm em si mesmos poder para salvar. No entanto, explique aos alunos que esses rituais, ao mesmo tempo em que não salvam também não anulam a salvação. Não é pelo fato de uma igreja ter um culto mais formal, como costumamos dizer, que a espiritualidade será banida. Como já disse, os complicados rituais impostos à religião de Israel no deserto foram ordenados por Deus e tinham um propósito. No livro Oração: cartas a Malcom (Editora Vida), C. S. Lewis defende a liturgia da Igreja Anglicana. Para ele, a aparente mecanização do culto evitava as distrações e permitia que o adorador prestasse mais atenção em Deus. Para outras pessoas, isso parece ter o efeito contrário.

Os assembleianos gostam de dizer que não têm liturgia, que os seus cultos sempre foram dirigidos pelo Espírito Santo. Pura bobagem. Desde que me entendo por gente (e eu nasci e me criei na Assembleia de Deus) sempre fui capaz de citar de cor toda a sequência dos cultos que estava acostumado a frequentar. Todas as sedes e congregações, com pequenas variantes, seguem algum tipo de liturgia. Acho que o único problema é que os crentes associam essa palavra com formalismo e “frieza”, daí a dificuldade em reconhecer o fato. Como exemplo, leia o meu artigo “Os corinhos na liturgia da AD” (clique aqui).

A ordem no culto é recomendável (1Co 14.40). O Espírito Santo não brinca de roleta com os adoradores. Se uma obra especial tiver de ser feita, ele a executará. Se em seus soberanos desígnios ele decidir mudar o rumo da reunião ou alterar alguns padrões, por certo o fará. Mas tudo terá um motivo.  A minha vivência eclesiástica diz que os inimigos da liturgia são os que tendem aos exageros e à desordem, e isso contradiz a instrução bíblica. Leia atentamente todo o capítulo 14 de 2Coríntios. Leia também o meu artigo  “O reteté e a regra paulina de culto” (clique aqui).

Lição 8 (leia aqui).

Anúncios

2 comentários em “Lições Bíblicas: “Miqueias — a importância da obediência”

  1. conceito de obediencia,
    obedecer nao significa apenas receber uma comunicaçao ou informaçao,
    mas o seu real sentido é mais forte e imperioso;
    obedecer é acatar ordens de autoridade religiosa, civil, ou familiar

    Curtir

  2. Oportuna sua chamada ao sentido bíblico de obediência, meu caro Judson. No mundo, hoje, a palavra obediência é taxada de retrógrada em muitos contextos, pois está associada à subserviência, ao despotismo e ao arcaísmo de costumes. Mas a verdade é que a obediência cristã implica na confiança que temos no amor de Deus, o qual nos conduz (quando deixamos) por caminhos de vida e paz (segundo os pensamentos que tem a nosso respeito). Vendo por este prisma, a obediência é uma dádiva, considerando que temos alguém que nos guia, orienta, aconselha e admoesta, visando sempre a um fim proveitoso. No entanto, a obediência não prescinde do discernimento, para que não nos façamos presas fáceis dos que se colocam como dominadores sobre o rebanho de Deus, buscando a lã das ovelhas em proveito próprio. Mas temos o Espírito Santo, cuja unção é verdadeira. E o próprio Senhor Jesus nos disse que o Consolador nos guiaria em toda a verdade. Com esses recursos, obediência é bênção. Glória a Deus!

    Ótimo complemento, Gilberto.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s