Lições Bíblicas: “A apostasia no reino de Israel”

Lição 1 — 1.° trimestre de 2013

O assunto deste trimestre da escola dominical é o ministério marcado por atos poderosos, exempificados em dois profetas: Elias e Eliseu. A importância de Elias é destacada no Novo Testamento em várias ocasiões: na identificação de João Batista (Mt 17.11-13); na transfiguração, em que ele representa os profetas do Antigo Testamento, ao lado de Moisés, representante da Lei (Mc 9.4); na equiparação (ou confusão mesmo) com Jesus (Lc 9.18,19); na menção feita pelo próprio Cristo (Lc 4.25,26). Eliseu é para mim um dos mais extraordinários exemplos de fé e dedicação a Deus. Não vemos na narrativa bíblica nenhum momento de hesitação em seu ministério, o que não foi o caso de Elias (1Rs 19.1-4). Eliseu sempre se mostra determinado e confiante (2Rs 5.8; 6.15,16). Esta primeira lição ressalta o ambiente apóstata em que Elias exerceu as suas atividades ministeriais.

As causas da apostasia

Antes de comentar esta seção, explique aos alunos o significado de apostasia. Para isso, ver o “Auxílio bibliográfico I”. Em 1Timóteo 4.1-5, o apóstolo Paulo demonstra que o crente pode apostatar da fé se der ouvidos a “espíritos enganadores” e “doutrinas de demônios”. Isso indica que a primeira etapa da apostasia é o aliciamento. O crente é enganado por falsas doutrinas ou influenciado para o mal e assim, afastado da fé, ele passa a rejeitá-la. O autor da lição cita o casamento misto e a instituição da idolatria como causas. Primeiro veio a influência de Jezabel (o equivalente aos “espíritos enganadores”), cuja idolatria contaminou o marido (1Rs 21.25), que por sua vez levou a nação inteira a pecar contra Deus. Depois veio o sistema religioso pagão (o equivalente às “doutrinas de demônios”), que acompanhava a idolatria (1Rs 18.18). Com isso, veio rejeição consciente ao pacto da Lei.

Os agentes da apostasia

Sugiro que você estude a biografia do casal real Acabe e Jezabel, e assim entenderá melhor o processo da apostasia de Israel e suas implicações. Além disso, essas informações também lhe serão úteis nas lições seguintes.

As consequências da apostasia

Qualquer um chegasse a Samaria com um conhecimento mínimo da Lei perceberia logo que ela não era de modo algum respeitada. A sociedade que Deus havia criado por meio de seus mandamentos em nada se parecia com o quadro social e religioso que o visitante teria diante de si. Se você passa muito tempo fora do país, pode esquecer-se das suas raízes e até da sua língua-mãe e se aculturar, ou seja, passar a agir como aqueles que antes você considerava estrangeiros. De modo semelhante, o afastamento da fé resulta na perda da identidade cristã. O crente deixa de se portar como cidadão do Reino de Deus e acaba se aculturando ao reino das trevas.

Apostasia

Desnecessário dizer que os dias em que vivemos são amplamente favoráveis à apostasia, que na verdade será uma características dos tempos do fim (2Ts 2.3). A era pós-moderna relativiza as verdades divinas e assim traz confusão a qualquer um que não esteja bem ancorado em sua fé. Sobre isso, leia o meu artigo “Certo ou errado?” (clique aqui).  Já se fala até em uma era pós-religiosa, coisa que o próprio Cristo previu (Lc 18.8).

Lição 2 (leia aqui).

Anúncios

3 comentários em “Lições Bíblicas: “A apostasia no reino de Israel”

  1. Procurei seu artigo certo ou errado e não encontrei, ao abrir a pagina fica aparecendo erro,

    Obrigado pelo aviso, José. Já consertei.

    Curtir

  2. Judson,

    Comparando o tema do trimestre passado com este que estamos iniciando, na sua opinião, a ordem cronológica de estudo está certa?

    Fica na Paz do Senhor Jesus.

    Fábio, acho que não foi preocupação do autor ordenar os fatos da vida de Elias e Eliseu pela cronologia. O espisódio da viúva de Sarepta (lição 6), por exemplo, acontece antes do desafio aos profetas de Baal e da depressão de Elias (lições 4 e 5). Na revista dos Profetas Menores, foi seguida a ordem da Bíblia, que também não é cronológica.

    Curtir

  3. Considero o Brasil um lugar propício para apostasia e ao mesmo tempo para avivamentos isolados, pois além de ter um bom passado cristão o brasileiro tem como característica a simplicidade e a religiosidade, o que influi numa verdadeira fé. Mas se haverá um arrebatamento é porque sempre haverá um remanescente, o remanescente justo já é histórico, como no caso dos 7 mil que não se dobraram a Baal.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s