Lições Bíblicas: “A viúva de Sarepta”

Lição 6 — 1.° trimestre de 2013

Esta lição não segue a ordem cronológica da história de Elias. O episódio da viúva de Sarepta ocorreu entre o início da seca em Israel (1Rs 17.1-7) e o anúncio de seu final (1Rs 18.1), antes também do  desafio aos profetas de Baal e de Aserá e da depressão do profeta, assunto da lição de domingo passado. O motivo é que o autor optou pela temática (Elias, lições 1-9; Eliseu, lições 10-13). Apenas nesta lição em particular o motivo da inversão não está claro. Fica a observação.

Um profeta em terra estrangeira

A fuga de Elias deu-se em duas etapas, conforme a orientação divina. Digo fuga porque a previsão de seca constituía um desafio ao deus Baal, que era o deus fenício da tempestade, ou seja, o senhor das chuvas, aquele que controlava o clima e garantia as boas colheitas. O rei idólatra não ia deixar barato a ofensa. Acredita-se que Elias profetizou a seca pouco antes do início da estação das chuvas, o que lhe deu algum tempo até o rei perceber que a profecia era verdadeira. O ribeiro de Querite ainda ficava em território israelita, mas a uma distância segura de Samaria, capital de Israel.

Maior segurança, porém, Elias encontrou justamente na terra natal de Jezabel, a principal promotora do baalismo no Reino do Norte. Talvez fosse o último lugar do mundo a ser cogitado por Acabe e Jezabel numa possível caça ao profeta. A melhor ajuda pode vir das pessoas e lugares mais improváveis. Foi uma prostituta pagã que deu proteção aos espiões israelitas em Jericó (Js 2). Foi em Gate, cidade dos filisteus, que Davi encontrou refúgio quando fugia do rei Saul (1Sm 27).

Uma estrangeira nos planos de Deus/ O poder da palavra de Deus/ O poder da oração

As pessoas dão um jeito de mencionar a sua amizade com os poderosos quando se veem ameaçadas. “Você sabe com quem está falando? Sou filho do fulano de tal”: quem já não ouviu uma frase assim? Mas Deus fez o profeta encontrar segurança na casa de uma viúva paupérrima. As viúvas na época estavam entre as classes mais desprotegidas da sociedade.

A estada de Elias junto ao riacho de Querite revela aspectos interessantes da providência divina. Primeiro, Deus garante de maneira miraculosa a assistência dos corvos para garantir a alimentação do profeta. Depois usa as circunstâncias, a esgotadura do riacho, para fazê-lo seguir adiante no momento certo (porque o seu encontro com a viúva de Sarepta foi providencial). O fato de Deus reter a chuva, enviar os corvos e sincronizar a partida de Elias para a Fenícia (onde ficava Sidom) com a seca do riacho prova que o Senhor está no controle de todas as coisas.

Chega a ser engraçado ver o Senhor dos Exércitos, comandante supremo da hostes celestiais, dando ordens a corvos e a uma viúva meio morta de fome (1Rs 17.4,9). Mas Deus não faz acepção de pessoas (nem de animais, pelo jeito): usa as coisas fracas para confundir as fortes (1Co 1.27). Ele também pode ir ao outro extremo em sua ação quando decide fazer algo a favor de seus servos (leia Sl 144.5-8).

Lição 7 (leia aqui).

BIBLIOGRAFIA: Alexander, David & Pat. O mundo da Bíblia. Tradução de José 
Raimundo Vidigal. São Paulo: Paulinas, 1986. * Bíblia. Inglês. Archaelogical Bible. 
New International Version. 8. ed. Grand Rapids: Zondervan, 2007. * Bíblia. 
Português. Bíblia de estudo Dake. Revista e corrigida 1995. Rio de Janeiro: CPAD, 
2009. * Bíblia. Português. Bíblia de estudo NVI. Nova versão internacional. Org. 
por Kenneth BARKER. Tradução de Gordon Chown (notas). São Paulo: Vida, 2003. * 
Davidson, F. O novo comentário da Bíblia. 6. reimpr. São Paulo: Vida Nova, 1985, 
v. 1 * Gonçalves,José. Porção dobrada. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. * Halley, H. H. 
Manual bíblico de Halley. Tradução de Gordon Chown. Ed. rev. e ampl. São Paulo: 
Vida, 2001.* Radmacher et alii (Org.). O novo comentário bíblico: Antigo 
Testamento. Tradução de Bruno Destefani et alii. Reimpr. Rio de Janeiro: Central 
Gospel, 2010. * Richards, Lawrence. Comentário bíblico do professor. Tradução de 
Valdemar Kroker & Haroldo Janzen. São Paulo: Vida, 2004. * Unger, Merril Frederick. 
Manual bíblico Unger. Revisado por Gary N. Larson. Tradução de Eduardo Pereira e 
Ferreira & Lucy Yamakami. 3. reimpr. São Paulo: Vida Nova, 2011.
Anúncios

3 comentários em “Lições Bíblicas: “A viúva de Sarepta”

  1. Os corvos serviram Elias como punição, não como recompensa. Mesmo em punição Deus não deixa de nos sustentar. O pecado de fazer as coisas sem a ordem de Deus;; “Pela minha palavra”. Elias aprendeu e, depois, não usou a sua palavra, usou a oração.

    Curtir

  2. infelismente hoje existem muitas pessoas que se dizem não ter como ajudar a obra do senhor no entanto Deus usou uma viuva p/ ensinar que todos podem se util na obra missionaria

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s