Lições Bíblicas: “Os pecados de omissão e de opressão”

Lição 12 — 3.° trimestre de 2014

Adapte como introdução o texto de Silas Daniel e Alexandre Coelho:

A Epístola de Tiago foi escrita, muito pro­vavelmente, durante a grande fome que abateu a Judeia por volta do ano 46 d.C. A data mais provável para a composição da Carta de Tiago é entre 45 e 49 d.C., isto é, exatamente um período que abrange a época dessa grande fome. Logo, quando Tiago viu que a morte de alguns irmãos poderia ser poupada se não fosse a omissão dos mais ricos — ainda mais que os ricos empregado­res, motivados apenas por cobiça e egoísmo, estavam em falta no pagamento dos salários dos seus trabalhadores, salário este que, se honrado, supriria minimamente as necessidades destes —, o apóstolo foi tomado de uma ira santa e escreveu as palavras con­tundentes que abrem o capítulo 5 de sua carta, sobre as quais meditaremos a seguir.

O pecado de omissão (Tg 4.17)

A história contada por Champlin ilustra muito bem o tema da omissão:

Aparecem com frequência as oportunidades de fazermos bem aos outros, especialmente no suprimento de suas necessidades físicas [ver Tg  2.14ss; 1:27, como parte da definição do autor do que é a fé religiosa), simplesmente porque tal necessidade é universal. Na história intitulada a Bela Lenda, vê-se um crente ocupado na contemplação de uma visão de Cristo; então surge a oportunidade de distribuir pão aos famintos, que interromperia o seu êxtase. Aquele crente todavia, tinha uma ideia bem esclarecida de seus deveres religiosos; e assim, de pronto deixou de lado sua visão mística a fim de alimentar aos famintos. Ao retornar, encontrou Cristo no mesmo lugar, que aprovou o que ele fez, dizendo-lhe: Se tivesses ficado, eu me teria ido embora. 

O pecado de adquirir bens à custa da exploração alheia (Tg 5.1-3)

Thomas W. Leahy dá uma boa explicação para as principais frases e expressões contidas nesses três versículos:

1. desgraças que estão por sobrevir [ARC: misérias, que sobre vós hão de vir]: a perda da riqueza (v. 2-3) e o julgamento terrível que vingará suas cruéis injustiças (v. 3-6). 2. apodreceu [ARC: estão apodrecidas] o tempo perfeito deste verbo e dos dois se­guintes provavelmente indica a presente inutilidade da riqueza. vestes: estas eram uma das principais formas de riqueza na Antiguidade [Mt 6.19; At 20.33]. 3. enferrujados [ARC: se enferrujaram] ainda que a prata e o ouro não enferrujem de fato, esta expressão indica sua inutilidade básica. testemunhará contra vós [ARC: dará testemunho contra vós]: a ferrugem e a decadência de suas posses provarão que seus donos deixaram de usá-las a favor dos pobres, devorará vossas carnes … como fogo [ARC: comerá como fogo a vossa carne]: os objetos da riqueza acumula­da são, metonimicamente, representados como instrumentos de punição vindicativa – sem dúvida, com uma alusão à “ge­ena de fogo” [Mt 5.22]. nos tempos do fim [ARC: para os últimos dias]: em vista da alusão à vinda do Senhor nos vv. 7 e 9, Tiago provavelmente salienta o absurdo do cuidado excessivo para com as coisas terrenas, uma vez que os últimos dias estão próximos [veja At 2.16,17]. Ou­tros entendem que ele se refere ao futuro julgamento de ira que o rico “entesourou” para si mesmo

O escasso salário dos trabalhadores “clama” a Deus (Tg 5.4-6)

Para esta seção, desenvolva o comentário de Lawrence O. Richards

Esta veemente condenação dos ricos que explo­ram os pobres parece quase em lugar inadequado. Mas aqueles que confiam nas riquezas e menospre­zam os direitos dos outros para acumulá-las são a antítese das pessoas humildes que Deus deseja que os crentes se tornem. Estes homens ricos personi­ficam o sistema do mundo, que Tiago afirma ser hostil a Deus. Eles valorizam as coisas materiais, que não têm valor duradouro. E desdenham dos seres humanos, que Deus afirma que têm valor supremo. A sua vida na terra, que é uma vida de “delícias e deleites”, serve apenas para prepará-los para o “dia de matança” (o juízo divino).

Nota: Deixe o seu comentário, esse retorno é importante para mim. Se quiser compartilhar algo sobre o assunto desta lição, que também ajude os outros professores, fique à vontade.

Lição 13 (leia aqui).

BIBLIOGRAFIA. Champlin, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado: 
versículo por versículo. 4. impr. São Paulo: Milenium, 1983, v. 3. * Coelho, 
Alexandre; Daniel, Silas. Fé & obras: ensinos de Tiago para uma vida cristã 
autêntica. Rio de Janeiro: CPAD, 2014. * Leahy, Thomas W. Epístola de Tiago. 
In: Brown, Raymond E. et alii. Novo Comentário Bíblico São Jerônimo: Novo 
Testamento e artigos sistemáticos. Tradução de Celso Eronides Fernandes. Santo 
André: Academia Cristã; São Paulo: Paulus, 2011. * Richards, Lawrence O. 
Comentário devocional da Bíblia. Tradução de Degmar Ribas. Rio de Janeiro: 
CPAD, 2012.
Anúncios

4 comentários em “Lições Bíblicas: “Os pecados de omissão e de opressão”

  1. Sou uma ovelha deste redil… muito bom ter esse apoio para as lições, Deus o abençoe em tudo.

    Curtir

  2. Prezado Pastor, sempre venho aqui me “alimentar” dos seus estudos.Eles me ajudam muito nas aulas. Que Deus o abençoe.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s