Michelangelo e o Espírito Santo (reedição)

Michelangelo, um dos maiores gênios criadores da humanidade, segundo a história da arte, além de pintor, poeta e arquiteto, era excelente escultor. Os estudiosos que tentam entender o sentido de sua arte acreditam que ele era capaz de enxergar dentro da pedra bruta a peça que pretendia esculpir e usava o cinzel e o martelo apenas para retirar os excessos.

Em minhas rápidas pesquisas sobre o Espírito Santo para algumas as aulas que andei ministrando (leia aqui), não pude deixar de perceber a semelhança entre o método do grande escultor e a obra de santificação operada em nós. A santificação é um processo que aponta para a perfeição, o crescimento interior que tem como propósito fazer com que cada cristão atinja a estatura espiritual de Cristo.

Sabemos, porém, que a perfeição nesta vida é impossível. As esculturas de Michelangelo, humanamente falando, podem ser consideradas obras perfeitas. Aliás, conta-se que quando ele concluiu uma delas, bateu no joelho da estátua e ordenou: “Fala, Moisés!”, tão impressionado ficou com o próprio trabalho. Aos olhos de Deus, porém, jamais atingiremos tal completude, muito menos seremos alvos de sua admiração.

Além disso, como pedras vivas e pensantes, temos a tendência de pensar que o cinzel divino está trabalhando no lugar errado, porque também idealizamos a nossa escultura interior, e ela não coincide com a do Espírito Santo. Não conseguimos enxergar dentro de nós a mesma imagem que ele visualizoua obra perfeita que enxerga na matéria bruta da alma regenerada e que pretende concluir. Assim, protestamos quando ele remove algo que fazia parte da peça que havíamos concebido. É quando o mármore insubmisso pergunta ao Escultor: “Que fazes?”.   

Por causa de nossa natureza rebelde, a perfeição cristã será sempre uma escultura inacabada, como São Mateus, outra obra de Michelangelo, porém não concluída. Percebem-se belas linhas emergindo da pedra bruta, mas o produto final não é conhecido. Nisso a perfeição cristã guarda uma semelhança e uma diferença com a obra inacabada do grande mestre italiano.

A semelhança é que nós, do ponto de vista da perfeição que nos é exigida, somo todos obras inacabadas. Ao encerrar a nossa jornada aqui, seja pela morte, seja por ocasião da vinda de Jesus, seremos todos parte pedra bruta e parte trabalho artístico, nos mais variados estágios.

A diferença é que a obra que o Espírito Santo começou em nós será concluída. Na eternidade, iremos ter plena consciência do que ele pretendia realizar em nós, ambos veremos a mesma peça no interior da pedra bruta. Creio que Paulo também se refere a isso quando menciona o conhecimento pleno que teremos quando vier o que é perfeito. Então o Espírito Santo irá bater em nosso joelho e dizer: “Pode falar agora!”. Ou então: “Era isto o que eu queria fazer”. Porque ele terá diante de si uma obra perfeita. 

Anúncios

Breve história da igreja (reedição)

Jesus Christ and DisciplesA igreja começou com poeira nos pés.

Depois tomou carona na carruagem do imperador.

Com o progresso, dispersou-se em concessionárias de marcas variadas.

Agora parece estar na fase do carro alegórico.

Já passou da hora de pôr os pés outra vez na estrada da simplicidade.

Deus, nunca remova esses filtros!

garatujas“Que lindo, filho!”, diz você quando seu menino de três anos lhe apresenta o desenho de algo que parece uma barata após um encontro infeliz com um chinelo. “É o papai”, ele informa orgulhoso de sua obra, e você não tem dificuldades em lhe dar um abraço agradecido enquanto tenta apagar da mente a imagem que ainda vê dançando diante dos olhos. Os pais têm essa condescendência inata, esse filtro natural que enxerga a perfeição por trás das mensagens confusas de um pequeno ser que está descobrindo o mundo.

Deus, nosso Pai, utiliza filtros semelhantes, como equipamentos especiais, para aceitar aquilo que somos e o que fazemos. Posso pensar na propiciação, o principal deles, como óculos especiais que eliminam as manchas de pecado da folha, de modo que possa ver alguma justiça em nós — justiça que nem mesmo é nossa, devo lembrar. Posso pensar ainda na longanimidade e na misericórdia e, claro, no amor. Mas você sabe que a lista é longa.

No mundo espiritual, que estamos sempre explorando, há meninos e adultos, mas não creio que alguém possa atingir a plena maturidade aos olhos do Pai a ponto de ele não precisar de nenhum filtro. Nesse sentido, somos apenas crianças menores ou maiores produzindo nossos desenhos mal-ajambrados.

Não vamos nos iludir. Nossas poesias mais sublimes são versos de pé-quebrado, nossa música é desafinada, o trabalho de nossa vida inteira não compensará um centavo do valor do resgate que ele pagou para nos ter de volta.

Ainda assim, nossos versos ganham ritmo e musicalidade diante dele ao sopro suave do Espírito, o sagrado Filtro que habita em nós. O auto-tune do Pai permite que ele se assente na porta do céu para escutar nosso louvor. E, para que não deixemos de lhe apresentar nossas pretensões bem-intencionadas, a graça paterna nunca deixa de nos fornecer as folhas de papel e as canetinhas de cor.

Deus, nunca remova esses filtros!

A bem-aventurança do anonimato

no-faceFazer o bem não é fácil, e mais difícil ainda é ajudar os outros sem esperar reconhecimento nesta terra. Ouvi de um pastor certa vez que o ego tem de ser massageado. Não discordo, se a massagem for aquele incentivo saudável que todo bom líder consegue aplicar na dosagem certa ou a gratidão demonstrada a quem merece. Mas, como cristãos, em nosso serviço ao próximo não devemos nem mesmo criar essa expectativa.

O motivo é que corremos o risco de cair na obsessão dos fariseus dos tempos de Cristo, que não davam uma moeda a um mendigo sem antes contratar um tocador de trombeta. A crítica de Jesus àqueles caçadores de elogios era uma forma de dizer: “Bem-aventurados os anônimos”. E, como toda bem-aventurança está acompanhada de uma promessa, a dos anônimos seria: “… porque eles obterão o reconhecimento de Deus”.

Um dos meus anônimos preferidos na Bíblia é o homem que emprestou o cenáculo para Jesus e seus discípulos. Mateus, Marcos e Lucas registram esse fato, e a tripla referência é sinal de sua importância. Não é para menos. No cenáculo, ocorreu a Última Ceia com os seus comoventes e dramáticos desdobramentos. Nesse lugar, provavelmente um espaço coberto sobre um terraço, os discípulos permaneceram após a ascensão de Jesus. Por fim, foi nesse local que nasceu a igreja. Mesmo assim, nenhum dos três evangelistas nos fez a gentileza de declinar o nome desse homem generoso e hospitaleiro. Conhecemos o nome do bandido Barrabás, mas não o da pessoa que acolheu em sua casa o Salvador do mundo e depois o Consolador da era da graça.

Não se pode negar: o reconhecimento humano é sempre imperfeito. É incompleto, injusto ou, na melhor das hipóteses, sobrevive ao homenageado, mas acaba se perdendo em algum corredor da história. O reconhecimento de Deus não só é perfeito como transcende o tempo. A aprovação divina transforma a gratidão efêmera num peso eterno de glória.

Só Deus, em sua onisciência e onipresença, pode nos agraciar com esse tipo de reconhecimento. Ele conhece os nossos caminhos, mesmo os mais solitários, e o fogo de seus olhos sonda os recantos mais ocultos do nosso coração sem deixar nenhuma intenção encoberta. Se depois desse escrutínio formos aprovados, teremos a nossa obra reconhecida em todo o Universo.

O dono do cenáculo não recebeu nem uma plaquinha para mostrar aos amigos, mas na eternidade ele será conhecido e reconhecido, em dimensões que nunca imaginou. A boa notícia serve para nós também. Todo bem que praticamos e não é reconhecido neste mundo está registrado em letras indeléveis no céu. Porque, afinal, para Deus não existem anônimos. Ele conhece os seus bem-aventurados.