Arquivos de Categoria: Reflexão

Deus quer o nosso lanchinho (reedição)

A prática de repartir o pão acompanha o cristianismo desde o berço. Já na primeira igreja, em Jerusalém, havia preocupação com as mesas. Nas ceias do ágape, as diferenças de qualidade e quantidade das comidas ofertadas eram equalizadas quando postas à disposição de todos. Era o que os cristãos podiam fazer, se considerarmos que não havia um milagres em vista. Aquele costume simples, cultivado na intimidade de pequenos grupos que ainda nem sonhavam em construir templos, era uma lição viva contra o egoísmo, a ganância e o preconceito e, sem dúvida, um gesto de amor.

Mas antes disso o fundador da igreja havia demonstrado o que Deus pode fazer com comida. Numa ocasião, aceitou o apoio logístico de um garoto na difícil tarefa de amenizar a fome de milhares de ouvintes famintos: cinco pães e dois peixes. O rapaz parecia ter bom apetite, mas tinha o coração maior que o estômago. E, a despeito da boa intenção, era uma oferta ridícula, o que talvez seja um indicativo de que ele tirava notas ruins em matemática. Sorte dele que o milagre, por definição, ignora esses detalhes, e o resultado foi mais comida do que a multidão podia dar conta.

Assim, aprendemos duas lições importantes sobre a comida no viver cristão. A primeira é que o amor não carece de milagres. Gestos simples de fraternidade e amor superam em qualidade qualquer esquema de contribuição ou de serviço. Nos tempos bíblicos, oferecer  um pedaço de pão do próprio prato a alguém era sinal de amizade e consideração. Até hoje, em qualquer cultura, oferecer um prato de comida a alguém é sempre algo comovente para quem dá, para quem recebe e para quem assiste. Dar dinheiro a um pedinte pode suscitar questionamentos, mas dar comida a quem tem fome anula qualquer argumento. E a fome física, como se sabe, pode despertar o apetite espiritual, o que nos leva à segunda lição.

O milagre dos pães e peixes multiplicados ensina-nos o fato óbvio de que Deus faz milagres. Mas existe aí uma lição diferente, que ignora também o estômago e se concentra na fome da alma. E nesse caso há sempre um milagre, porque nenhum ser humano pode operar a salvação, é sempre ação divina. Outro aspecto invariável é que a oferta humana é sempre ridícula, como os peixinhos daquele rapaz, que alguns acreditam ser Estêvão na flor da idade e no auge do apetite. Isso porque o ato divino de regenerar o ser humano está acima de qualquer coisa que possamos oferecer.

Seja um “ministério” superestruturado, seja algo tão simples como um folheto entregue num ponto de ônibus ou um post publicado no fim de noite, o efeito que podem causar é o mesmo e tão sublime que não faz diferença se a contribuição é o conteúdo de uma cestinha ou de um barco pesqueiro. É por essa razão que Deus nunca rejeita o nosso lanchinho, a nossa oferta ridícula, pois com esses parcos recursos ele pode matar a fome espiritual de alguém, e isso é mais que toda a comida do mundo.

Anúncios

Breves conclusões sobre as Bem-Aventuranças

Contraditório? A riqueza espiritual reside na pobreza de espírito (sobre Mateus 5.3).

A sensibilidade decorrente da pobreza de espírito abre caminho para as demais virtudes bem-aventuradas (sobre Mateus 5.4).

Mansidão não é para os frouxos (sobre Mateus 5.5).

Ter sede de justiça implica rejeitar a tolerância burra (sobre Mateus 5.6).

Ser misericordioso começa por rasgar a lei do talião (sobre Mateus 5.7).

Não há pureza de coração sem visão clara do coração de Cristo (sobre Mateus 5.8).

A opção pela paz implica tentar unir certas pessoas, comungar com algumas e evitar outras (sobre Mateus 5.9).

Viver como Cristo quer faz da perseguição um bom sinal (sobre Mateus 5.10-11).

O segredo de Paulo

Henry Ossawa Tanner - The Thankful Poor

O apóstolo Paulo descobriu o segredo de andar contente. Isso significa estar bem, quaisquer que sejam as circunstâncias.

É estar bem com o que não possuímos e com o que conquistamos.

É estar bem com as coisas boas que perdemos e com as coisas ruins que abandonamos.

É estar bem com a esperança frustrada e com a surpresa agradável.

É estar bem quando o mal nos atinge e quando a bênção nos alcança.

É estar bem quando o inimigo se revela e quando o amigo se apresenta.

É estar bem quando tudo desanda e quando algo novo pode ser construído.

É estar bem à beira do abismo e à margem do ribeiro.

Então, o que pode ser melhor do que descobrir esse segredo?

Medo de voar?

Altas aventuras

Algumas noites atrás, sonhei que a casa em que eu me encontrava ergueu-se do chão e iniciou uma viagem pelos ares, aparentemente sem controle (algo semelhante a Up: altas aventuras, imagino, já que não assisti ao filme). De início, senti medo ao ver montanhas, rios, florestas e paisagens urbanas se aproximarem perigosamente das janelas hermeticamente fechadas a cada voo rasante da minha habitação voadora.

Mas não demorei a perceber que não corria risco algum: estava apenas sendo contemplado com um passeio maravilhoso e seguro. Então o medo virou diversão.

Acho que é desta forma que devemos encarar cada nova fase da vida: superar o medo do desconhecido e então desfrutar o inusitado.

A vida em Cristo também promete “novidade de vida”, voos assustadores que se tornam maravilhosos quando descobrimos a segurança em Cristo. E, de igual modo, devemos encará-los sem medo e aproveitar a paisagem.

%d blogueiros gostam disto: