Sobre palavras — provérbios (reedição)

… 

Abaixa a voz, e usa argumentos fortes. — Provérbio libanês

A calúnia é como carvão, quando não queima, suja a mão. — Provérbio brasileiro

A espada fere o corpo, mas palavras ferem a alma — Provérbio árabe

A espada na bainha e a língua no seu lugar jamais causarão lágrimas. — Provérbio grego

A palavra e a pedra lançada não voltam. — Provérbio persa

A palavra falada pertence metade a quem fala e metade a quem ouve. — Provérbio francês

A palavra que tens dentro de ti é tua escrava; a que deixas escapar é tua senhora. — Provérbio persa

A sabedoria vem de escutar; de falar, vem o arrependimento. — Provérbio italiano

As palavras que nascem só da mente são como um muro. As que brotam também do coração são como uma ponte. — Provérbio eslavo

Com provérbios, pode-se governar uma cidade. — Provérbio árabe

Dentes antes da língua dão bons conselhos. — Provérbio italiano

Dois tagarelas não andarão juntos por muito tempo. — Provérbio espanhol

Fala pouco e bem, ter-te-ão por alguém. — Provérbio brasileiro

Falar bondosamente não machuca a língua. — Provérbio francês

Mais de uma guerra foi causada por uma simples palavra. — Provérbio árabe

Muitas palavras não enchem uma cesta — Provérbio ioruba (África Ocidental)

Muitos são os que sabem adular, poucos os que sabem elogiar. — Provérbio grego

O que sussurras ao ouvido de alguém é ouvido a mil milhas de distância. — Provérbio chinês

Os insultos deveriam ser escritos na areia e os elogios gravados na pedra. — Provérbio árabe

Palavra fora da boca é pedra fora da mão. — Provérbio brasileiro

Palavras ambíguas são como um espelho embaçado. — Provérbio chinês

Quem diz o que quer, ouve o que não quer — Provérbio brasileiro

Quem me lisonjeia é meu inimigo; quem me critica é meu professor. — Provérbio chinês

Sete calamidades podem advir de uma boca aberta. — Provérbio hindu

Toda infelicidade vem da boca. — Provérbio japonês

Uma língua macia raramente deixa de ter um ferrão na ponta. — Provérbio irlandês

Uma palavra bondosa pode aquecer três meses de inverno. — Provérbio japonês

Recordar é viver

O velho clichê reforçado e embelezado por Agatha Christie no prefácio de sua Autobiografia:

Em meu entender, a vida consiste em três partes: o presente, absorvente e habitualmente agradável, que corre minuto a minuto com velocidade fatal; o futuro, obscuro e incerto, para o qual podemos fazer inúmeros planos interessantes, e tanto melhor se forem insólitos e improváveis — afinal, nada virá a ser como esperávamos que fosse, e ao menos nos divertimos enquanto planejávamos; e a terceira parte, o passado, as recordações e as realidades que são os alicerces da vida presente e que nos surgem de repente, trazidas por um perfume, pela forma de uma colina, qualquer canção antiga, trivialidades que nos fazem de súbito murmurar: “Eu me lembro…”, com um peculiar e quase inexplicável prazer.

Apenas compartilhando: “Meu tributo”

Um clássico moderno na voz inesquecível de Luiz de Carvalho.

Apenas compartilhando: “Novas num cartaz”

Música do primeiro disco do grupo Café. As canções reverberavam a teologia da libertação, mas nem por isso deixavam de conter verdades.