Projeto AD Jaguaruna

***

Desde dezembro, estou morando na casa de uma irmã, em caráter provisório. Minha mãe também mora aqui. Todos nós nascemos em jaguaruna (SC) e frequentei a Assembleia de Deus daquela cidade até os 17 anos, quando me mudei para Joinville. Tenho muito gosto por história e dia desses, conversando com a minha mãe, perguntei se ela estava disposta a relembrar os primórdios da AD de Jaguaruna, porque ela se converteu quando a igreja ali tinha pouco mais de uma década. Ela topou, e já marquei outros nomes de pessoas que ainda estão vivas e poderão dar uma contribuição valiosa ao projeto.

Não é nada muito elaborado, apenas depoimentos com os quais tentarei construir uma história de uma igreja pequena e pouco conhecida, mas nada é insignificante no Reino de Deus, não é? E tenho certeza de que muita coisa interessante virá à tona e será devidamente registrada.

Por curiosidade, acessei o site da AD jaguarunense, e lá estava:

No ano de 1949, o evangelho chegou à cidade de Jaguaruna/SC, através dos irmãos Orlando Brasil, Cipriano Fagundes e Dorval Cardoso, ficando o município de Jaguaruna e Sangão pertencendo a igreja de Tubarão/SC até o dia 05 de julho de 1988, quando foi proclamado a emancipação como igreja sede, desmembrando-se assim do campo de Tubarão e passando a ter autonomia própria.

Os primeiros convertidos foram, Lilino Pimentel, Marcos Olegário, Carmiria Pimentel, Malvina Bittencourt, José C. Pereira, Estelita Pereira, Manoel de Souza, Mirian A. Souza, Virginia Leopoldina e Maria Pimentel. A igreja hoje conta com um trabalho sólido com 12 Congregações construídas e duas em acabamento.

Olhando a relação dos primeiros convertidos, constatei que conheci todos eles, alguns quem de perto até. Lilino Pimentel é o Tio Lilino, sobre quem já escrevi aqui. Marcos Olegário é o irmão Marcos Bittencourt: eu e o filho dele, Daniel, estávamos sempre juntos na igreja. Carmiria Pimentel é a Vó Carmira (o nome no site está errado), na verdade Calmira (já escrevi a respeito dela aqui e aqui). Malvina Bittencourt é a irmã Nina, esposa do irmão Marcos: era ela quem reunia crianças e adolescentes a fim de ensaiar poesias para cultos especiais como Natal e Dia das Mães. José C. Pereira e Estelita Pereira eram um casal que foi residir em Porto Alegre, mas que costumava visitar a nossa casa. Manoel de Souza e Mirian A. Souza eram um casal: brinquei muito com os filhos deles: Luiz, Lucas Manoel e Oseias. Luiz era um grande amigo. Virginia Leopoldina era a mãe do irmão Manoel. Maria Pimentel era a Tia Lica, irmã do Tio Lilino e da Vó Carmira.

Creio que de todos eles só o irmão Manoel, o Nelo Luca, está vivo. Mas há outras pessoas que ainda guardam muitas lembranças daqueles tempos. Eu mesmo tenho as minhas, desde meados da década de 1960 até 1978. Algumas delas também serão registradas ou servirão de base para algumas matérias. Começo as pesquisas ainda esta semana.