Arquivos de Tag: moço rico

A semente sempre morre (reedição)

Grain of Wheat Dies

Na década de 1970, um obreiro do Rio Grande do Sul foi convidado para pregar na AD de Jaguaruna. Eu tinha uns 11 ou 12 anos, e ele cismou que eu ia ser missionário ou algo assim. Um dia, pouco antes do culto, ele estava lá em casa e me chamou para perto de si. Com a Bíblia aberta, mostrou-me uma passagem bíblica e explicou em poucas palavras como dividir um sermão. Após o curso de homilética mais rápido da história, ele me perguntou sobre qual texto eu gostaria de pregar. Escolhi João 12.24: “Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto”. No culto à noite, ele me chamou ao púlpito para que eu lesse o texto e fizesse um breve comentário. Acrescentei uma poucas palavras ao que havia lido, e a igreja explodiu em “glórias” e “aleluias” (mas não se iluda com o projetinho de Spurgeon: aquela igreja “glorificava” por qualquer coisa).

Até hoje me pergunto por que escolhi aquele texto, mas a ideia da semente me fascina desde então. O motivo é o seu ciclo paradoxal: ela precisa desaparecer para ser algo, e esse algo produz novas sementes que precisam desaparecer. É também o grande apelo do evangelho: para ser o que Deus quer, você tem de negar a si mesmo. Para ser, deixe de ser. É como diz uma composição de Edison Coelho: “Eu devo ser não eu,/ mas devo ser alguém/ que renuncie o ser/ para só ser o bem”. Deus nos chama para a vida produtiva por meio dessa morte. A conclusão óbvia é que a semente que não morre não produz fruto.

Mas a semente sempre morre. Se ela não se desfaz no solo, está condenada à morte de não morrer. A semente traz em si o esboço dos futuros órgãos da planta, mas não passará de um esboço se não cair na terra. Por si só, ela não cresce nem se move, e detectar vida nela é quase impossível. Não importa por quanto tempo seja preservada, ela jamais será planta. É a morte que não se deseja para a semente, porque o “fruto”, que é o nosso potencial, se perde na casca.

O conhecido episódio do encontro entre Cristo e o moço rico exemplifica esse tipo de morte. O jovem tinha qualidades impressionantes, mas ainda era uma semente. De fato, uma semente pode ser impressionante. O coco do mar, do arquipélago de Seicheles, no oceano Índico, chega a pesar 30 quilos. É a maior semente do mundo. Mas continua sendo uma semente. O jovem rico era como o coco de Seicheles. Impressionante, mas inútil para os planos de Deus. Ele preferiu o segundo tipo de morte. Então, se a morte é inevitável, escolhamos morrer no terreno da vontade divina.

%d blogueiros gostam disto: